12 de agosto de 2016

Tutorial em foto: Make só com pigmentos

A maquiagem de hoje não é nada básica! Muito brilho e um delineado gatinho que dá todo um toque final, e o mais importante: usei apenas pigmentos como sombra! É ótima pra sair à noite, e neutra, usei tons terrosos e que combinam com qualquer roupa, então pode usar sem medo e decidir se combina com um batom nude ou um vermelho/vinho, ambos vai ficar muito show! 


E aí mulher, vamos fazer comigo? Pega teus pincéis, teus pigmentos e makes que tiver em casa (porque tudo pode ser substituído pelo o que você tem) e vem curtir o tutorial pra sair com o boy no fim de semana e arrasar no look, rs. Tá bem explicadinho, vamos lá? 


 1  Comecei aplicando um primer de olhos em toda a pálpebra móvel e no côncavo, para potencializar a pigmentação e o pigmento fixar bem.
 2  Apliquei um pigmento marrom por cima do primer, sempre tendo cuidado para fixar o produto, e não espalhar.
 3  Esfumei o pigmento em todo o cônvavo e levei um pouco mais pro canto externo do olho, criando um leve puxadinho na sombra. 
 4  Apliquei novamente o pigmento apenas na pálpebra móvel. 



 5  Deposite os pigmentos de sua preferência, desde que seja do mais claro para o escuro. Usei tons terrosos, de modo que coloquei um pigmento branco com fundo dourado no cantinho interno do olho, dourado no meio da pálpebra e cobre do meio para o canto externo do olho. 
 6  Esfumei um pouco um pigmento no outro, de modo que não ficasse muito dividido as cores, e também apliquei a mesma sequência rente aos cílios inferiores.
 7  Esfumei um pouco mais o marrom no côncavo e abaixo dos pigmentos rente aos cílios, de modo que não ficasse marcado. 
 8  Apliquei lápis branco abaixo da sobrancelha, para iluminar o olhar. 



 9  Esfume o lápis branco e faça um delineado gatinho conforme você preferir. 
 10  Aplique lápis preto na raiz dos cílios inferiores. Finalize com lápis branco na linha d'água e máscara de cílios. Make finalizada!


28 de julho de 2016

Os itens essenciais para montar uma necessaire


Sabe aquele dia que você vai viajar, ou se arrumar fora de casa e tem pouquíssimo tempo pra montar uma necessaire? Ou até mesmo quando você quer montar um kit básico sem gastar muito e conseguir fazer make tanto pro dia quanto pra noite? Pois bem, esse post é especialmente pra você que se encaixou em uma dessas opções, rs. Não precisa ser os mesmos produtos, claro, mas eu montei um kit super básico, com produtos que eu realmente julgo como essenciais em uma necessaire!


Base eu sempre opto por uma de cobertura alta, porque se for pra noite eu uso ela pura, uma camada é o suficiente, e se for pro dia eu misturo com um hidratante e ela fica mais fluida e leve. eu também faço questão que tenha cobertura, principalmente pra selar o corretivo.


Não consigo mais viver sem bronzer, uso como contorno, às vezes como blush e até como uma sombra marrom pra esfumar o côncavo, mil e uma utilidades! Primer eu uso principalmente nos dias quentes, porque a oleosidade "grita" no calor. Corretivo é bom optar por paletinhas, uso muito o verde em espinhas ou áreas vermelhas, e o do tom da pele, claro. 


Paleta de sombras se eu tiver que escolher uma só, opto por tons terrosos, marrom, dourado, cobre, etc. Essa paletinha tem sombras brilhosas e opacas, o que é super útil pra usar tanto no dia quanto na noite, além de que, já dá pra corrigir a sobrancelha com o marronzinho. Lápis branco abaixo da sobrancelha principalmente, pra iluminar o olhar. Delineador prefiro em gel, depois que experimentei foi amor à primeiro "uso", e muita, muita máscara de cílios, quanto mais melhor, rs.


Batom é muito de gosto, tem gente que prefere vermelho, mesmo pro dia, outras usam nude até à noite. É bem pessoal, eu particularmente gosto de ter um escuro, um rosado e um nude, acho o suficiente pra usar em qualquer ocasião. 

Acrescentariam mais algo? Quem também julga esses itens essenciais numa necessaire?

Materiais em Watercolor para o seu blog — Goodies


Olha eu de volta com materiais pra vocês, leitoras e blogueiras que fazem seus próprios layouts e banners, são materiais para usar em banner com o estilo aquarela, vou trazendo mais separando por tema, certo? 

Os materiais são gratuitos para download lá no Freepik, é um site de vetores, ou seja, os arquivos não são em formatos de imagem (.jpg ou .png), então, só vai abrir em programas tipo Illustrator, Photoshop, Corel, que são programas próprios para abrir arquivos vetoriais (.ai ou .eps). Enfim, vetor é um arquivo de imagem, porém em alta qualidade, dá pra usar em qualquer tamanho que ele não perde a qualidade, explicando mas informalmente pra vocês, rs. 


Flores | Download aqui


Manchas | Download aqui


Paris | Download aqui


Redes sociais | Download aqui


Utilitários | Download aqui

Espero que vocês gostem desse tipo de post, e que esses pacotes tenham sido úteis! Logo logo eu volto com mais coisinhas pra ajudar vocês a deixar o "bloguinho" fofo, combinado? Beijinhos :* 


20 de julho de 2016

Fidelidade ou lealdade?


Nos últimos dias, ando apaixonado pela palavra “lealdade”. Deve ser por causa de um livro que estou terminando, um romance sobre antigos amigos e amantes que voltam a se encontrar e precisavam acertar suas diferenças. Eles já não se gostam, mas confiam um no outro. Eles deixaram de se amar, mas ainda se protegem mutuamente. Isso é lealdade, em uma de suas formas mais bonitas. Lealdade ao que fomos e sentimos.

Ao ler o romance, me ocorreu que amar é fácil. Tão fácil que pode ser inevitável. A gente ama quem não merece, ama quem não quer nosso amor, ama a despeito de nós mesmos. Tem a ver com hormônios, aparência e sensações que não somos capazes de controlar. A lealdade não. Ela não é espontânea e nem barata. Resulta de uma decisão consciente e pode custar caro. Ela é uma forma de nobreza e tem a ver com sacrifício. Não é uma obrigação, é uma escolha que mistura, necessariamente, ideias e sentimentos. Na lealdade talvez se manifeste o melhor de nós.

Antes que se crie a confusão, diferenciemos: lealdade não é o mesmo que fidelidade, embora às vezes elas se confundam. Ser fiel significa, basicamente não enganar sexual ou emocionalmente o seu parceiro. É um preceito, uma regra que se cumpre ou não se cumpre, uma espécie de obrigação. O custo da fidelidade é relativamente baixo: você perde oportunidades românticas e sexuais. Não tem a ver, necessariamente, com sentimentos. Você pode desprezar uma pessoa e ser fiel a ela por medo, coerência, falta de jeito ou de oportunidade. Assim como pode amar alguém perdidamente e ser infiel. Acontece todos os dias.

Lealdade é outra coisa. Ela vai mais fundo que a mera fidelidade. Supõe compromisso, conexão, cuidado. Implica entender o outro e respeitá-lo no que é essencial para ele - e pode não ser o sexo. Às vezes o outro precisa de cumplicidade intelectual, apoio prático, simples carinho. Outras vezes, a lealdade requer sacrifícios maiores.

A primeira vez que deparei com a lealdade no cinema foi num filme popular de 1974, Terremoto. No final do drama-catástrofe, o personagem principal – um cinquentão rico, heroico e boa pinta – tem de escolher entre tentar salvar a mulher com quem vivia desde a juventude, com risco da sua própria vida, ou safar-se do desastre com a jovem amante. Ele escolhe salvar a velha companheira e morre com ela. Parece apenas um dramalhão exagerado, mas desde Shakespeare o drama ocidental está repleto de escolhas desse tipo. É assim que nos metem conceitos elevados na cabeça. Vi esse filme com 16 e 17 anos e nunca mais deixei de pensar na lealdade em termos drásticos.

A lealdade está amparada em valores, não apenas em sentimentos. É fácil cuidar de alguém quando se está apaixonado. Mais fácil que respirar, na verdade. Mas o que se faz quando os sentimentos desaparecem – somem com eles todas as responsabilidades em relação ao outro? Sim, ao menos que as pessoas sejam movidas por algo mais que a mera atração. Se não partilham nada além do desejo, nada resta depois do romance. Mas, se houver cumplicidades maiores, então se manifesta a lealdade. Ela dura mais do que os sentimentos eróticos porque se estende além deles.

O romantismo, embora a gente não o veja sempre assim, é uma forma exacerbada de egoísmo. Meu amor, minha paixão, minha vida. Minha família, inclusive. Tem a ver com desejo, posse e exclusividade, que tornam a infidelidade insuportável, a perda intolerável. As pessoas matam por isso todos os dias. Porque amam. É um sentimento que não exige elevação moral e pode colocar à mostra o pior de nós mesmos, embora pareça apenas lindo.

Minha impressão é que o mundo anda precisado de lealdade. Estamos obcecados pela ideia da fidelidade porque a infidelidade nos machuca. Sofremos exacerbadamente porque o mundo, o nosso mundo, não contém nada além de nós mesmos, com nossos sentimentos e necessidades. Quando algo falha em nossa intimidade, desabamos.

Talvez devêssemos pensar de forma mais generosa. Talvez precisemos nos apaixonar por ideias, nos ligar por compromissos, cultivar sonhos e aspirações que estejam além dos nossos interesses pessoais. Correr riscos maiores que o de ser traído ou demitido. O idealismo, que tem sido uma força de mudança na conduta humana, precisa ser resgatado. Não apenas para salvar o planeta e a sociedade, mas para nos dar, pessoalmente, alguma forma de esperança. A fidelidade nos leva até a esquina. A lealdade talvez nos conduza mais longe, bem mais longe. — Ivan Martins


15 de julho de 2016

Playlist para trabalhar


Não sei se eu sou uma pessoa de lua, mas, tem dias que acordo afim de ouvir rock, outro dia MPB, outro dia músicas calmas, enfim, sou movida à música e adoro trabalhar ouvindo música, isso não me atrapalha em nada, pelo contrário, me motiva e muito. Música faz bem pra alma e pro coração, e inspira demais, principalmente quando se trabalha com criatividade. Trouxe algumas músicas que tenho ouvido para trabalhar, espero que gostem e que isso inspire vocês também. Enjoy :)